Escolhas do cotidiano que influenciam na fertilidade masculina

Publicado em: 10 de Fevereiro de 2014

Escolhas do cotidiano que influenciam na fertilidade masculina

Existem diversos aspectos da vida do homem que podem influenciar na sua fertilidade, ou seja, a sua capacidade de reprodução. Em uma recente pesquisa no Reino Unido, foram estudados aspectos modificáveis presentes no dia a dia do homem, como o hábito de fumar ou de usar roupas íntimas apertadas (shorts boxer), e outros aspectos como a idade e o grupo étnico, que não são passíveis de serem modificados, com o intuito de analisar a influência deles sobre a fertilidade masculina.

No estudo, a fertilidade foi medida por meio da análise da qualidade do líquido seminal, ou sêmen ou esperma (líquido expelido pelo homem durante a ejaculação). A característica do sêmen avaliada para esse fim foi a motilidade dos espermatozoides, ou seja, a capacidade de eles se movimentarem adequadamente. Os pesquisadores queriam saber se essa capacidade sofria influência de alguns hábitos do homem e de algumas de suas características.

Os fatores passíveis de modificação estudados foram o Índice de Massa Corporal (IMC) – usado para classificar uma pessoa quanto ao seu peso, sendo tanto maior quanto maior o peso – o uso de shorts boxer, o hábito de consumir álcool, o hábito de fumar, o consumo de drogas ilícitas e o trabalho manual. As características imutáveis estudadas foram idade, grupo étnico, já ter engravidado alguém previamente, ter sofrido cirurgia nos testículos, ter feito exame de imagem na região pélvica (região da bacia), ter tido caxumba, idade da parceira e ter tido febre nos meses antecedentes à análise do esperma.

Dentre os aspectos modificáveis estudados, o que mais influenciou negativamente a qualidade do esperma foi o uso de roupa íntima apertada, assim como o trabalho manual; pouca influência tiveram o IMC e o uso de drogas, lícitas ou ilícitas, isto é, ainda que o consumo de álcool, cigarro e outras drogas seja desencorajado por ser prejudicial à saúde no geral, pouco influenciam na fertilidade do homem, até onde apontam as pesquisas atualmente.

Quanto aos fatores não modificáveis, a raça negra e a história de cirurgia testicular prévia foram os fatores mais associados à baixa qualidade do esperma. A conclusão a que chegaram os pesquisadores foi a de que as escolhas feitas no cotidiano não influenciam significativamente a qualidade do esperma e, portanto, as mudanças de comportamento  não deveriam ser usadas como único método de tratamento da infertilidade. Acreditar que elas têm muita influência sobre a fertilidade masculina acaba por atrasar a decisão de se recorrer a um médico especialista em reprodução assistida.

 

Conteúdo atualizado em: 14 de Fevereiro de 2017

 Agendar Consulta

Para agendar uma consulta preencha o formulário: