Publicado em 28/11/2012

Dr. Jean Maillard explica como o diabetes tipo 1 afeta a fertilidade feminina

diabetes-tipo-1-e-reproducao-feminina

Algumas complicações do diabetes tipo 1 podem afetar a fertilidade femininadiminuindo as chances de engravidar. Isso porque, o descontrole da glicemia pode levar à irregularidade menstrual, síndrome dos ovários policísticos e, até mesmo, menopausa precoce — fatores que dificultam muito a reprodução.

Neste artigo, reforçamos a necessidade dos autocuidados por parte das mulheres diabéticas. Além disso, mostramos como é a gravidez de futuras mamães portadoras da doença e quais cuidados devem ser adotados. Boa leitura!

O que é o diabetes tipo 1?

O diabetes tipo 1 é uma doença crônica autoimune. Trata-se de uma condição causada pela produção de anticorpos (células de defesa) pelo organismo contra algum órgão do próprio corpo.

No diabetes tipo 1, os anticorpos se voltam contra o pâncreas, atacando as células pancreáticas que produzem insulina. Com isso, ocorre uma diminuição de insulina no organismo e, consequentemente, um aumento dos níveis de glicose (açúcar no sangue) — uma vez que a insulina é a responsável por tirar o açúcar do sangue e fornecê-lo aos tecidos.

Dados da última edição do Atlas de Diabetes, elaborado pela International Diabetes Federation (IDF),mostram que, somado ao diabetes 2 (tipo mais frequente),existem 463 milhões de adultos com a doença no mundo. Isso equivale a quase 10% da população global.

O problema é que mais da metade dos diabéticos não foram diagnosticados. Sem os devidos cuidados, o quadro leva à hiperglicemia, uma condição extremamente prejudicial à saúde. A longo prazo, o distúrbio acaba gerando lesões em diversos órgãos e tecidos.

Como é a relação entre diabetes e fertilidade feminina?

Mulheres com diabetes tipo 1 têm tendência a apresentar distúrbios do desenvolvimento reprodutivo, inclusive infertilidade. Sabe-se que o diabetes tipo 1 está associado a:

Quais distúrbios reprodutivos podem estar associados ao diabetes?

Antes de continuar, é preciso esclarecer que a tendência a desenvolver distúrbios reprodutivos pode ser amenizada, em grande parte, pela eficácia do tratamento com aplicações de insulina (insulinoterapia). Por outro lado, o excesso de insulina que pode advir dessa terapia também pode causar problemas. Isso porque, muitos tecidos possuem receptores de insulina, sendo sensíveis a ela. Assim, podem ocorrer problemas como ovários policísticos e aumento dos hormônios masculinos.

Dessa maneira, a hiperglicemia pode comprometer a função reprodutiva, pois prejudica, por exemplo, a função dos ovários, os quais são responsáveis pela produção dos óvulos. No entanto, parece que a ovulação, em si, não é afetada.

Outro aspecto que pode ser observado em quadros de diabetes descompensada é a disfunção sexual. Em mulheres, o problema se manifesta como diminuição do desejo sexual ou sensação de dor durante a penetração, diminuindo a frequência das relações sexuais e, consequentemente, as chances de engravidar.

Mulheres diabéticas têm mais dificuldade para engravidar?

Apesar de toda influência que o diabetes tipo 1 pode ter sobre a capacidade reprodutiva da mulher, a taxa de infertilidade é semelhante à de mulheres sem a doença. Por outro lado, como mostrado, pode-se afirmar que essas pacientes enfrentarão mais dificuldades para engravidar.

Isso porque, elas tendem a ter irregularidades menstruais e menopausa mais precocemente, pois sua reserva de óvulos costuma acabar mais cedo pelo dano vascular em todo o corpo causado pelo diabetes descompensado. Além disso, muitas vezes quem tem diabetes tipo 1 também apresenta outras complicações crônicas, devido a comorbidades autoimunes. No mais, fatores associados, como maior idade ao diagnóstico do diabetes tipo 1 e presença de síndrome dos ovários policístico, também corroboram para a dificuldade de engravidar.

Como viver bem apesar do diabetes tipo 1?

O tratamento do diabetes tipo 1 é considerado um desafio na vida reprodutiva das mulheres. Dr. Jean Louis Maillard, ginecologista especialista em reprodução humana assistida da Clínica Fecondare, ressalta que, não apenas para a função reprodutiva, mas para o bom funcionamento de todos os sistemas do organismo, é imprescindível que os indivíduos portadores da doença estejam sempre com sua glicemia controlada.

Para tanto, além das aplicações regulares de insulina, deve-se manter um estilo de vida saudável. Assim, a adoção de uma dieta rigorosa e a realização de atividades físicas regularmente, de preferência, sob orientação especializada, é imprescindível.

Como é a gravidez de uma mulher diabética?

“Para os portadores de diabetes tipo 1, a reprodução, estando a glicemia sob controle, funciona como para os indivíduos sem a doença. Mas cabe salientar que, na gravidez, o acompanhamento e a adequação da dose de insulina devem ser realizados de forma ainda mais rigorosa do que habitualmente”, explica Dr. Jean.

Isso porque, não controlar o índice glicêmico, especialmente nas primeiras semanas de gestação, é um fator de risco para a pré-eclâmpsia e pode provocar má formação (defeitos congênitos) no bebê. Ao mesmo tempo, o descuido deixa a gestante com diabetes mais sujeita a ter abortos espontâneos e partos prematuros.

Agora que a relação entre diabetes e reprodução feminina ficou clara, é preciso reforçar a importância do diagnóstico precoce. Afinal, ter conhecimento sobre a doença é a única forma de tomar as medidas necessárias para evitar complicações diretas e indiretas, como a infertilidade.

Gostou do artigo? Quer saber mais sobre fatores que podem interferir na fertilidade? Então, siga nossas páginas no Facebook e Instagram!

Inscreva-se em nossa newsletter.

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Publicado por: Dr. Jean Louis Maillard - Ginecologista - Diretor técnico médico - CRM-SC 9987 , CRM-RS 13107 e RQE 5605
Ginecologista formado na Faculdade de Medicina da PUCRS em 1983, com residência médica em Ginecologia e Obstetrícia, Precertopship de Histeroscopia e Fellow nos Hospitais Tenon e Port Royal em Paris

Filtre por temas:

Filtre pelo formato de conteúdo

Assine nossa newsletter!

    Assine nossa newsletter!

      (48) 3024-2523

      Rua Menino Deus, 63 Sala 302. Baía Sul Medical Center - Centro CEP: 88020-203 – Florianópolis – SC

      Diretor técnico médico: Dr Jean Louis Maillard - CRM-SC 9987 RQE 5605

      Nosso material tem caráter meramente informativo e não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Em caso de dúvidas , consulte o seu médico.

      Termos e Serviços
      2021 © Clínica Fecondare - Todos os direito Reservados
      Desenvolvido por esaude