Publicado em 02/05/2020 - Atualizado 19/05/2020

Como evitar o aborto espontâneo?

como-evitar-o-aborto-espontaneo

O aborto espontâneo ocorre em aproximadamente 10% dos casos de gravidez, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Devido ao seu aspecto traumático, o aborto pode gerar transtornos de ordem psicológica e, até mesmo, afetar o sistema reprodutivo da mulher

Ouça este conteúdo:

Leia o artigo e conheça as principais causas, fatores de risco e tratamento para o aborto espontâneo:

Aborto espontâneo: quais são as causas relacionadas?

O aborto espontâneo é mais comum do que imaginamos, embora algumas gestações estejam mais predispostas a vivenciá-lo. 

Na maioria dos casos não há um motivo aparente para o aborto espontâneo. Por isso, nessas situações não é possível preveni-lo, mesmo que se mantenha hábitos saudáveis e boa saúde.

A definição de aborto espontâneo se dá pela interrupção natural de uma gestação pelo próprio organismo da mulher, que tende a ocorrer até o quinto mês de gravidez. O que acontece é que os embriões não conseguem se desenvolver como deveriam e isso gera a impossibilidade de sobrevivência dentro do organismo materno, o que provoca a parada do desenvolvimento dos mesmos. 

Embora seja uma situação que, na maioria das vezes, acontece sem motivos de maiores explicações, há casos em que o aborto pode ser observado a partir de algum distúrbio do organismo feminino

Quando isso acontece, muito provavelmente, o aborto está relacionado aos seguintes fatores:

  • alterações uterinas, que podem ter origem congênita ou adquiridas; 
  • fatores endócrinos, como a alteração no funcionamento da tireoide e diabetes; fatores imunológicos, como as doenças autoimunes, principalmente;
  • infecções diversas.

Além dessas questões colaboradoras para o problema, alguns fatores de risco estão relacionados ao aumento das chances de uma gestante sofrer um aborto espontâneo.

Como prevenir um aborto espontâneo?

Mesmo que não haja uma forma de prever o aborto espontâneo, é possível adotar algumas medidas que diminuem a probabilidade de que aconteçam. 

Uma das mais eficazes é controlar os principais fatores de risco, que podem contribuir consideravelmente para a interrupção precoce da gravidez. São eles:

  • idade: quanto mais avançada a idade da mulher, maior o risco de aborto;
  • antecedente de aborto espontâneo/ aborto de repetição: a probabilidade de sofrer aborto aumenta após duas ou mais perdas;
  • tabagismo, consumo de drogas e álcool;
  • uso de anti-inflamatórios não hormonais;
  • alto consumo de cafeína, mais de quatro xícaras de café expresso por dia;
  • extremos de peso, como magreza ou obesidade.

Embora seja muito recorrente que as mulheres busquem compreender o que houve de errado para levar ao aborto, a investigação médica da causa do problema só acontece quando o quadro corresponde a abortos recorrentes. É o que chamamos de abortos de repetição

Abortos de repetição: o que é preciso saber

O aborto de repetição é classificado em mulheres que já sofreram mais de três abortos, com menos de 20 semanas de gestação. Quando isso acontece, as causas devem ser investigadas pelo médico e um acompanhamento deve ser realizado com maior atenção. 

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH), as causas que levam aos abortos de repetição podem incluir: 

  • causas genéticas;
  • fatores anatômicos, como a síndrome de Asherman;
  • leiomiomas uterinos;
  • pólipos endometriais;
  • incompetência istmo-cervical;
  • defeitos de desenvolvimento uterino, como útero bicorno, útero septado e útero didelfo;
  • fatores endócrinos, como a síndrome dos ovários policísticos;
  • doenças autoimunes;
  • síndrome de anticorpo antifosfolípide (SAAF).

No entanto, graças a evolução da medicina reprodutiva, hoje em dia é possível fazer um diagnóstico seguro e totalmente confiável por meio de um exame que permite acompanhar a gestação de uma mulher que já passou por abortos de repetição. 

Diagnóstico seguro

Passar por abortos consecutivos pode desestabilizar a saúde emocional da mulher que deseja ser mãe. Assim, qualquer sinal de anormalidade pode gerar muita ansiedade e medo de levar a frente uma nova gestação.

Como vimos, são diversas situações que podem desencadear um aborto espontâneo, podendo, inclusive, apresentar várias causas e fatores combinados. 

No entanto, quando a investigação médica atribui a causa a um fator genético, é possível observar o caso com maior profundidade e evitar perdas futuras. Dessa forma, a mulher pode preparar a sua gestação a partir de uma melhor observação de suas possibilidades como mãe.

Mas de que forma isso é feito?

O Diagnóstico Genético Pré-Implantacional (PGD) é um exemplo do que pode ser feito para mulheres que apresentam quadros de aborto de repetição. Consiste em um exame diagnóstico que pode ajudar a identificar e prevenir a manifestação de doenças genéticas antes de iniciar uma nova gestação.

Além do diagnóstico, o PGD permite fazer uma seleção eficaz para a transferência de apenas embriões geneticamente normais. Graças a essa investigação, é possível planejar uma gravidez com maiores chances de sucesso, por meio de um tratamento de reprodução assistida.

Atualmente, a maioria das clínicas de reprodução utiliza o Diagnóstico Genético Pré-Implantacional (PGD). Isso pois aliado às técnicas de reprodução assistida, como a ICSI, é possível reduzir, consideravelmente, as chances de recorrência do abortamento

Ao mesmo tempo, quando a mulher que passa por abortos de repetição e gestações arriscadas opta por realizar uma técnica de reprodução assistida combinada com o PGD, é capaz de reduzir o tempo de alcance de uma gestação saudável.

Quer saber mais sobre o Diagnóstico Genético Pré-Implantacional (PGD)? Baixe o ebook e conheça mais detalhes.

Na Fecondare você encontra uma equipe disponível para tirar suas dúvidas e orientá-lo da melhor maneira possível. Entre em contato para mais informações.  

Inscreva-se em nossa newsletter.

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Publicado por: Dr. Marcelo Costa Ferreira - Ginecologista - CRM/SC 7223 e RQE 2935
Formado em Medicina pela FURB, Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia, Especialização em Reprodução Humana no Centro de Referência da  Saúde da Mulher em São Paulo e Especialização em Reprodução Assistida

Filtre por temas:

Filtre pelo formato de conteúdo

Assine nossa newsletter!

Assine nossa newsletter!

(48) 3024-2523

Rua Menino Deus, 63 Sala 302. Baía Sul Medical Center - Centro CEP: 88020-203 – Florianópolis – SC

Diretor técnico médico: Dr Jean Louis Maillard - CRM-SC 9987 RQE 5605

Nosso material tem caráter meramente informativo e não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Em caso de dúvidas , consulte o seu médico.

Termos e Serviços
2020 © Clínica Fecondare - Todos os direito Reservados
Desenvolvido por esaude