Publicado em 13/03/2021 - Atualizado 15/03/2021

A adenomiose impede a gravidez?

adenomiose-impede-gravidez

Adenomiose e gravidez representam uma combinação complexa. Ainda que a doença não impossibilite a gestação, ela pode tornar mais difícil a concepção. Isso porque essa condição desencadeia uma série de problemas que prejudicam a fertilidade feminina.

A seguir, explicamos como tratar a doença sem recorrer à histerectomia (cirurgia de remoção do útero). Dessa maneira, mulheres que têm adenomiose e planejam engravidar não precisam abandonar o sonho de se tornarem mães!

O que é adenomiose?

A adenomiose é uma doença semelhante à endometriose. A diferença é que a endometriose ocorre quando fragmentos do endométrio (tecido que reveste a parede interna da cavidade uterina) surgem fora do útero, provocando a irritação do local.

Já quando o fragmento do tecido endometrial se encontra no miométrio (camada muscular do próprio útero),provocando sangramentos periódicos, trata-se da adenomiose. Por isso, a adenomiose também é chamada de endometriose uterina.

Causas da adenomiose

Alguns especialistas falam que a adenomiose é uma doença congênita. Outros sugerem ser uma patologia adquirida, provocada por lesões no útero (decorrentes uma incisão cirúrgica, por exemplo).

De qualquer forma, é consenso que os hormônios têm bastante influência no seu aparecimento. Isso explica o fato de ser uma doença mais recorrente em mulheres após os 40 anos de idade (as quais estão expostas à ação hormonal por mais tempo). Outros fatores possivelmente associados ao seu aparecimento são menarca (primeira menstruação) precoce, mais de uma gravidez e ciclos menstruais curtos.

Sintomas da adenomiose

Estima-se que 1/3 das mulheres com adenomiose sejam assintomáticas. Nas demais, os sintomas são cólicas fortes e fluxo menstrual intenso. Além disso, podem sentir dor no ato sexual e sangrar fora do período menstrual.

Em relação aos sinais internos, quando o tecido endometrial se encontra difuso pelo miométrio, o tamanho do útero pode aumentar muito. Já se a adenomiose for localizada, é comum haver a formação de nódulos.

Diagnóstico da adenomiose

Quando existem sintomas, o diagnóstico da adenomiose pode ser feito por meio de uma anamnese detalhada e exames de imagem. É comum o especialista solicitar uma ultrassonografia transvaginal ou uma ressonância magnética da pelve.

No entanto, o diagnóstico preciso depende de uma avaliação histopatológica cuidadosa. Para isso, é necessário fazer a histerectomia.

Adenomiose e gravidez: entenda como se dá essa relação

Ainda que mulheres com adenomiose possam engravidar, estima-se que a doença aumente o risco de infertilidade. Já em gestantes, há mais chances de abortamento, assim como partos prematuros.

Isso ocorre porque a adenomiose faz com que o útero sofra alterações funcionais e em sua estrutura. Há casos em que essas alterações influenciam até os tratamentos de reprodução assistida. A dificuldade para engravidar surge, na maioria das vezes, porque:

  • as modificações na estrutura do útero atrapalham a chegada do espermatozoide às trompas;
  • as mudanças que ocorrem no endométrio dificultam a implantação do embrião no útero;
  • as interferências entravam a passagem do óvulo pelas trompas;
  • as proteínas necessárias para a adesão do embrião ao endométrio são secretadas de forma anormal;
  • existe uma concentração alta de radicais livres no útero, que prejudicam a fertilidade.
  • há alterações genéticas.

Além disso, a adenomiose está, frequentemente, associada a outras patologias do aparelho reprodutor. Por exemplo: endometriose peritoneal, hiperplasia do endométrio, miomatose uterina, polipose endometrial e adenocarcinoma endometrial (câncer do endométrio).

Como é possível engravidar tendo adenomiose?

A primeira recomendação é que a adenomiose seja tratada clinicamente, com o uso de medicamentos hormonais. Dependendo dos sintomas, os médicos podem recomendar:

  • pílula anticoncepcional com progesterona;
  • anti-inflamatórios que não contenham esteroides;
  • analgésicos;
  • Dispositivo Intrauterino (DIU) de levonorgestrel;
  • anel vaginal;
  • implantes subcutâneos;
  • análogos do hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH).

Caso essa abordagem seja pouco resolutiva, a opção é realizar uma cirurgia. O procedimento objetiva remover o nódulo, mas é indicado somente quando a adenomiose é localizada (atinge uma área específica do miométrio – tambem chamado de adenomioma).

Nos demais casos, a possibilidade de tratar a adenomiose com cirurgia radical precisa ser discutida com o médico especialista em reprodução humana. Após a histerectomia, a única forma de gerar um filho é por meio de uma barriga solidária.

O que é possível saber antes de realizar o tratamento?

A mulher que deseja tratar a adenomiose para engravidar precisa estar bem informada sobre a maneira como a doença pode afetar a gravidez. Nessas pacientes, o risco de ocorrer um aborto nos primeiros três meses de gestação é maior. Além disso, a chance de o parto ser prematuro também aumenta.

Por esses e outros motivos, a mulher precisa dialogar com o médico sobre os prós e contras de ter um bebê, mesmo tendo a doença. As únicas formas 100% eficazes de curar a adenomiose são a retirada total do útero ou a chegada da menopausa.

Caso abrir mão da maternidade não seja uma opção, a saída é tentar controlar os sintomas da doença com medicação (pelo menos até a chegada do filho) e manter a esperança. Afinal, a adenomiose dificulta a gravidez, mas não a impossibilita. Conversar com um especialista em reprodução pode fazer toda a diferença no planejamento gestacional de mulheres com o problema.

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato com os especialistas da Fecondare para lhe ajudar da melhor forma possível!

Inscreva-se em nossa newsletter.

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Publicado por: Dra. Ana Lúcia Bertini Zarth - Ginecologista - CRM-SC 8534 e RQE 10334
Formada na Faculdade de Medicina da PUC – RS em 1993, Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia, Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia, pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) em 1997.

Filtre por temas:

Filtre pelo formato de conteúdo

Assine nossa newsletter!

    Assine nossa newsletter!

      (48) 3024-2523

      Rua Menino Deus, 63 Sala 302. Baía Sul Medical Center - Centro CEP: 88020-203 – Florianópolis – SC

      Diretor técnico médico: Dr Jean Louis Maillard - CRM-SC 9987 RQE 5605

      Nosso material tem caráter meramente informativo e não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Em caso de dúvidas , consulte o seu médico.

      Termos e Serviços
      2021 © Clínica Fecondare - Todos os direito Reservados
      Desenvolvido por esaude