Entenda a relação entre a idade e a capacidade de engravidar

Publicado em: 4 de setembro de 2015

Entenda a relação entre a idade e a capacidade de engravidar

É cada vez mais comum ver casais adiando o sonho de ter filho em prol da carreira. As prioridades de hoje são outras. O que muitas mulheres não levam em conta, no entanto, é o quanto a idade avançada pode interferir no processo de gravidez.  

Quando a adolescente entra na puberdade, inicia-se o período de menstruações com cerca de 300 mil óvulos. Mas esse número diminui com o tempo. A cada ovulação, cerca de mil óvulos são perdidos e o corpo não repõe esse estoque. Na faixa dos 50 anos, as chances de ainda existirem óvulos capazes de serem fecundados são quase nulas.  

Melhor idade para engravidar

Do ponto de vista fisiológico, a janela de tempo com maiores chances de engravidar é dos 20 aos 29 anos. Durante esse período, o aparelho reprodutor está totalmente desenvolvido e preparado para receber uma gravidez.

Após esse ciclo, a fertilidade diminui gradativamente. Mas até os 35 anos ainda é possível engravidar sem maiores problemas, uma vez que o declínio do número de óvulos se acentua depois dessa idade.  

Esteja atenta também ao seu histórico familiar. Se houver algum caso próximo de menopausa precoce, é indicado que a gravidez ocorra mais cedo. Outra opção recente para quem tem mais chances de apresentar problemas para engravidar é o congelamento de óvulos, um método bastante eficaz também para quem precisa adiar o sonho de ser mãe.

Problemas que podem dificultar uma gravidez

Existem exames capazes de investigar se há algum problema que pode interferir no processo de gravidez. A seguir, citamos algumas anomalias que afetam a fertilidade:  

  • Alterações tubárias: são modificações causadas por infecções (clamídia, gonorreia, apendicite), e por patologias como a endometriose. Essas alterações podem dificultar o caminho dos espermatozoides.
  • Problemas na ovulação (fator ovulatório): alguns tratamentos mais severos como a quimioterapia e radioterapia podem afetar o organismo da mulher e interromper o processo de ovulação. Outro caso que afeta a fertilidade é a Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP), quando os ovários têm seu tamanho aumentado e possuem múltiplos cistos, o que dificulta ovulação e, consequentemente, a gestação.
  • Alterações no útero (fator uterino): a má-formação desse órgão dificulta a concepção.
  • Endometriose: caracteriza-se pela presença do endométrio fora da cavidade uterina. O endométrio é o tecido que se forma para receber o embrião na gestação. Quando não ocorre a gestação, essa membrana se desfaz e é expelida pelo organismo em forma de menstruarão. Muitas vezes esse tecido se ramifica fora da cavidade uterina causando a infertilidade.

Com o avanço nos estudos, diversos tratamentos foram desenvolvidos. Fertilização in vitro, inseminação artificial e tratamento hormonal são alguns deles. Ainda assim o chamado “relógio biológico da reprodução” é fator mais relevante para o sucesso de uma gravidez.

A idade continua sendo decisiva para que tudo transcorra de forma mais tranquila e sem maiores riscos. Não se esqueça também de que muitos homens são inférteis e têm problemas que dificultam a concepção.

Conteúdo atualizado em: 12 de julho de 2017

 Agendar Consulta

Para agendar uma consulta preencha o formulário: