Publicado em 05/05/2020 - Atualizado 29/06/2020

6 erros comuns na tentativa de engravidar

6-erros-comuns-na-tentativa-de-engravidar

tentativa de engravidar é um sonho dividido por muitos casais. Porém, depois de algumas tentativas frustradas, a tão esperada gravidez pode gerar ansiedade e muitos questionamentos.

Muitas vezes, em decorrência da demora para a confirmação da gestação, o casal começa a se perguntar: o que há de errado conosco?

Existem duas opções: é possível que o casal ainda não saiba que é infértil e, por isso, encontram dificuldades para engravidar. No segundo caso, não há problema de fertilidade em nenhum dos parceiros, mas é possível que ambos estejam cometendo alguns erros no momento de planejar a gestação.

Isso, pois a falta de sucesso na empreitada da maternidade também pode estar ligada a diversos fatores que acabam nos distanciando do tão esperado resultado positivo.

Leia o artigo e conheça mais sobre cada um dos erros mais comuns que os casais cometem na tentativa para engravidar:

Os 6 erros mais comuns na tentativa de engravidar

No momento em que os casais decidem começar as tentativas para engravidar podem surgir muitas questões desafiadoras que atrasam a concepção, propriamente dita. Isso se intensifica, principalmente, caso as tentativas estiverem acontecendo há algum tempo.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), a infertilidade só será definida como incapacidade de engravidar depois de 12 meses de relações sexuais desprotegidas e sem o uso de qualquer contraceptivo, seguida de uma profunda avaliação médica dos pacientes.

De qualquer forma, antes de obter o diagnóstico para fertilidade é preciso manter a calma e saber que cada organismo e também casa casal terá o seu próprio funcionamento.

Por isso, é importante observar se o casal não está cometendo nenhum erro no momento de planejar a gravidez. Preparamos uma lista para você fazer uma avaliação sobre a conduta do casal que está tentando engravidar:

1. Aumentar a quantidade de relações sexuais

Aumentar a quantidade de sexo por obrigação, na tentativa de que a gravidez chegue mais rápido, é um dos erros mais comuns.

Ou seja, se o casal tem uma boa frequência sexual e está confortável com seu ritmo, é recomendado que continuem como estão.

Porém, se a ideia de fazer mais sexo se tornar apenas algo mecânico para atingir uma meta, é possível que se transforme em um componente altamente prejudicial para obter o resultado esperado.

Caso isso aconteça, os envolvidos podem passar a sentir que estão sobrecarregados, aumentando o nível do estresse e cobrança, o que, definitivamente, não colabora nesse momento.

2. Fazer sexo só no período fértil

É uma questão de equilíbrio. Tanto o exagero, na relação sexual mecanizada, quanto a ausência das relações sexuais são empecilhos na hora de engravidar.

Muitos casais acreditam que devem ter relações sexuais apenas no momento da ovulação da parceira. Porém, essa atitude também não é recomendada. Isso, pois muitas mulheres, mesmo aquelas que seguem o método da tabelinha, podem se equivocar quanto ao seu período fértil.

ciclo feminino pode sofrer alterações de acordo com cada mês. Por isso, é indicado manter relações sexuais em um ritmo confortável ao casal, já que esperar apenas pelo dia fértil pode ser um erro, devido a sua imprecisão.

Então atenção, pois esse é mais um fator que gera ansiedade demasiada ao casal e contribui para a demora da concepção.

3. Apostar no uso de lubrificantes

Outro erro muito comum. Muitas mulheres acreditam que ao utilizar lubrificantes podem contribuir para que o esperma alcance com mais facilidade o óvulo.

No entanto, usar lubrificantes em excesso ou da maneira incorreta pode gerar justamente o efeito reverso. O PH vaginal é sensível e pode ser facilmente alterado,  o que dificulta o desempenho dos espermatozoides.

Por isso, antes de apostar no uso de lubrificantes, converse com o seu médico sobre a melhor opção e utilize esse tipo de produto apenas quando indicado.

4. Evitar o acompanhamento médico

Manter os exames em dia e investigar as condições de saúde com frequência, é algo essencial para obter êxito no momento de engravidar.

No entanto, muitos casais que não estão com seu check-up atualizado podem mascarar debilidades de saúde que levam a infertilidade. Por exemplo, podemos destacar as seguintes causas que levam a infertilidade nos homens e nas mulheres:

Nas mulheres

A diminuição natural da fertilidade feminina não é um problema de saúde em si, mas  consiste em algo natural, já que a fertilidade da mulher diminui com o passar dos anos.

Por isso, mulheres com mais de 35 anos e que desejam ser mães, precisam necessariamente procurar um médico para avaliar suas reais condições reprodutivas.

Já em casos de mulheres que possuem problemas com o sistema reprodutor, como endometriose, distúrbios ovulatórios e aderências pélvicas, devem redobrar a atenção quando optam por engravidar.

Nos homens

Vários fatores podem desencadear a infertilidade masculina. Dentre as causas mais comuns podemos citar:

  • infecção mal resolvida no aparelho reprodutivo;
  • histórico de varicocele;
  • condições ambientais impróprias; traumas;
  • hábitos de vida;
  •  azoospermia obstrutiva ou de produção.

Além disso, outras questões podem interferir na capacidade do homem procriar. Dessa forma, é fundamental que o parceiro faça uma avaliação para checar a sua fertilidade.

5. Sucumbir ao estresse

Atualmente, especialistas afirmam que altos níveis de estresse estão diretamente associados a infertilidade.

Alternativas como acupuntura, por exemplo, geram efeitos positivos para muitas mulheres no intuito de aumentar a fertilidade.

Por isso, reduzir os níveis de ansiedade realmente pode ajudar o organismo a se equilibrar, sendo essa uma das maneiras mais indicadas de começar a busca pela maternidade.

6. Usar métodos caseiros

O conhecimento popular é repleto de receitas e métodos que prometem melhorar a fertilidade na mulher e no homem. No entanto, confiar apenas nesse tipo de saber pode ser uma armadilha, já que não há comprovação de que muitos deles funcionam, de fato.

Por isso, os possíveis desequilíbrios do organismo que geram a infertilidade precisam de um tratamento especializado.

Quais são os tratamentos para infertilidade?

Quando há suspeitas de infertilidade, procurar um médico o quanto antes é a melhor alternativa para os casais. Em muitos casos, os métodos de reprodução assistida poderão ser indicados como alternativa na realização do desejo da maternidade.

Atualmente, essas técnicas são as mais acessíveis para engravidar e oferecem bons resultados. Conheça os tratamentos de reprodução assistida mais utilizados:

Fertilização In Vitro

Nesse procedimento, a mulher passa pela indução da produção de folículos. Quando estes alcançaram a maturidade ideal, é feita uma punção transvaginal com controle de ultrassom para a coleta dos óvulos que são fertilizados in vitro (FIV), ou seja, fora do organismo da mulher.

Os espermatozoides são obtidos pela ejaculação ou pela retirada direta no testículo.

Inseminação Artificial

Na inseminação artificial, para aumentar a capacidade de fecundação, os espermatozoides são inseridos diretamente na cavidade endometrial logo após a indução da ovulação. O processo pode ser feito com o sêmen do parceiro ou de um doador.

Indução da ovulação

Indução de ovulação com coito programado é indicado quando se constata que o motivo da infertilidade é a falta de ovulação na mulher. Quando isso acontece, um tratamento para induzir a ovulação é iniciado.

Congelamento de óvulos, sêmen e embriões

Criopreservação de óvulos, sêmen e embriões é um método indicado para mulheres e homens que queiram congelar óvulos, sêmen e embriões, no intuito de preservar a fertilidade.

Isso pode ser feito antes de realizar procedimentos que possam alterar a fertilidade, como quimioterapia e radioterapia, por exemplo. Também é crescente a busca desse método por mulheres que desejam adiar a maternidade, possibilitando uma gravidez em idade avançada.

Quando procurar ajuda médica?

O mais indicado para os casais compostos por mulheres com menos de 35 anos é que façam tentativas naturais para engravidar por até um ano. Após esse período, se a concepção não acontecer, é o momento de buscar ajuda médica.

Já para as mulheres que possuem mais de 35 anos, o indicado é que procurem por consulta médica após seis meses de tentativa natural sem sucesso.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 20% dos casais no mundo, em idade reprodutiva enfrentam algum tipo de dificuldade para concretizar o projeto de paternidade e maternidade.

Caso você se enquadre nas estatísticas, é importante, primeiramente, manter a calma e saber que existem muitas alternativas para ter filhos.

Procure um médico especializado e se mantenha livre de medo, julgamentos ou culpa. Lembre-se que o quanto antes um diagnóstico preciso for realizado, mais chances o casal terá de partilhar a felicidade de gerar filhos.

Para consultar um médico especializado e conhecer os tratamentos de reprodução assistidaentre em contato com a equipe Fecondare.

Inscreva-se em nossa newsletter.

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Publicado por: Dr. Jean Louis Maillard - Ginecologista - Diretor técnico médico - CRM-SC 9987 , CRM-RS 13107 e RQE 5605
Ginecologista formado na Faculdade de Medicina da PUCRS em 1983, com residência médica em Ginecologia e Obstetrícia, Precertopship de Histeroscopia e Fellow nos Hospitais Tenon e Port Royal em Paris

Filtre por temas:

Filtre pelo formato de conteúdo

Assine nossa newsletter!

    Assine nossa newsletter!

      (48) 3024-2523

      Rua Menino Deus, 63 Sala 302. Baía Sul Medical Center - Centro CEP: 88020-203 – Florianópolis – SC

      Diretor técnico médico: Dr Jean Louis Maillard - CRM-SC 9987 RQE 5605

      Nosso material tem caráter meramente informativo e não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Em caso de dúvidas , consulte o seu médico.

      Termos e Serviços
      2020 © Clínica Fecondare - Todos os direito Reservados
      Desenvolvido por esaude