Publicado em 05/01/2020 - Atualizado 07/07/2020

Maternidade independente, como funciona?

maternidade-independente-como-funciona

A maternidade independente é uma condição cada vez mais comum para as mulheres que desejam ter filhos sem a presença paterna. São inúmeros os motivos para que uma mulher decida assumir a maternidade sozinha e, graças às técnicas de reprodução assistida, qualquer mulher pode realizar o sonho da maternidade.

Naturalmente, com o passar do tempo, a fertilidade feminina tende a diminuir, mas ainda assim, a mulher pode postergar a gravidez com a ajuda de determinados procedimentos.

Além disso, é direito de toda mulher recorrer a um banco de doação de sêmen para que possa ter filhos, o que lhe concede liberdade durante a maternidade. Da mesma forma, para casais homossexuais de mulheres, a maternidade independente também é uma realidade.

Acompanhe o artigo e fique por dentro dos pontos mais importantes ao assumir a maternidade independente:

Maternidade independente: o que preciso saber?

Uma coisa é fato, a cada dia que passa, as mulheres estão cada vez mais autossuficientes e independentes. Assim sendo, por inúmeros motivos, as mulheres tendem a adiar a maternidade ou mesmo decidem não esperar por um companheiro como pré-requisito para serem mães.

Por isso, muitas delas estão dispostas a criar seus filhos de forma totalmente independente, desde o momento da concepção até a gestação. 

Mas, você deve estar pensando: como isso é possível?

Graças ao avanço da medicina e ao aprofundamento das técnicas de reprodução assistida, existem algumas alternativas que tornam isso tudo real. Conheça o passo a passo para o sucesso da maternidade independente.

Verificação da saúde reprodutiva

Existem diversos motivos que levam uma mulher a encarar a jornada de ser mãe com a ausência de um pai. Por isso, para gerir o filho, é necessário que a mulher cheque a sua saúde reprodutiva.

Assim, o ideal é que a mulher realize exames que verificam a sua capacidade de ter filhos, como, por exemplo:

  • avaliação hormonal;
  • testes para detecção de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs);
  • ultrassom do útero e dos ovários;
  • checagem das trompas uterinas.

Ainda assim, dependendo de cada situação e histórico da mulher, é possível que outros exames sejam solicitados para verificar a capacidade reprodutiva. No entanto, caso a mulher esteja impossibilitada de passar pela gestação, é possível ainda recorrer a uma barriga de aluguel.

Entretanto, se a mulher for avaliada como apta para procriar, ela deve optar por algum dos procedimentos que asseguram a maternidade independente. Mas antes, é preciso encontrar um doador de sêmen para realizar a fecundação.

Encontrando um doador

Para que a fecundação ocorra, obviamente, é necessário que haja a junção do gameta masculino (espermatozóide) e do gameta feminino (óvulo). No entanto, quando a mulher decide ter filhos na ausência de um companheiro, o primeiro passo é encontrar um doador de espermatozoide para que aconteça a reprodução.

É importante orientar que a identidade do doador é preservada por lei e para que o homem possa doar o sêmen, é necessário que passe por diversos exames e questionários, além de sessões de acompanhamento psicológico.

Assim sendo, após ser considerado apto para se tornar um doador, seu nome e características vão para o banco de dados e a mulher já pode escolher um candidato à altura do que procura. 

Ou seja, a futura mãe deve optar pelas características que mais lhe agradam no doador, como, por exemplo:

  • cor do cabelo e dos olhos;
  • peso e altura;
  • etnia;
  • profissão e hobbies.

Dessa forma, a criança pode herdar características geneticamente mais compatíveis com o que a mãe procura. Na maioria dos casos, a mãe opta por um doador que apresente características compatíveis com as dela.

Optar pelo procedimento

Após a confirmação da capacidade de gerir e a escolha de um doador de espermatozoides, a mulher deve escolher o melhor procedimento para a fecundação. As opções possíveis são: inseminação artificial; fertilização in vitro (FIV) e injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI).

A inseminação artificial se dá pela inserção do esperma diretamente no útero, enquanto que na fertilização in vitro, o processo é feito no laboratório. 

Na injeção intracitoplasmática de espermatozoides, o espermatozoide é colocado dentro do óvulo com o auxílio de uma microagulha e o procedimento é feito dentro do organismo da mulher.

De toda forma, qualquer uma dessas opções são recomendadas para as mulheres que buscam pela maternidade independente.

Fique atenta!

Na maioria das vezes, quando a mulher decide pela maternidade independente, é porque almeja ter filhos mais tardiamente e, por isso, é necessário fazer o congelamento dos óvulos ainda em idade ideal para gestação. 

Assim sendo, antes de completar 35 anos, procure um banco de congelamento de óvulos para conhecer mais do assunto e conservar os próprios óvulos. Assim, você pode utilizá-los para a maternidade posteriormente.

Inscreva-se em nossa newsletter.

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Publicado por: Equipe Fecondare

Filtre por temas:

Filtre pelo formato de conteúdo

Assine nossa newsletter!

    Assine nossa newsletter!

      (48) 3024-2523

      Rua Menino Deus, 63 Sala 302. Baía Sul Medical Center - Centro CEP: 88020-203 – Florianópolis – SC

      Diretor técnico médico: Dr Jean Louis Maillard - CRM-SC 9987 RQE 5605

      Nosso material tem caráter meramente informativo e não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Em caso de dúvidas , consulte o seu médico.

      Termos e Serviços
      2020 © Clínica Fecondare - Todos os direito Reservados
      Desenvolvido por esaude