Publicado em 15/04/2021

Quanto custa a Fertilização In Vitro (FIV)?

quanto-custa-a-fertilizacao-in-vitro-fiv

Preocupar-se com a saúde reprodutiva não elimina outras preocupações de caráter mais prático, como os custos de uma FIV. Na realidade, desejar se planejar financeiramente para realizar o procedimento não apenas é compreensível, como recomendado. Afinal, quem tem as contas em dia sofre menos com o estresse — fator de risco conhecido para a infertilidade, mas isso é outro assunto.

Neste artigo, iremos mostrar os fatores que definem quanto custa a fertilização in vitro (FIV). Para conhecê-los, continue a leitura!

Quanto custa o processo de fertilização in vitro?

De acordo com a Resolução nº 1.974/11, do Conselho Federal de Medicina (CFM),é proibido divulgar preços de procedimentos médicos. Sendo assim, caso deseje saber quanto custa a fertilização in vitro, entre em contato com a Fecondare via e-mail ou WhatsApp.

Mas atenção, será informada apenas uma média de valor. Isso porque, o preço final cobrado varia de acordo com as necessidades de cada paciente.

Quais aspectos influenciam no valor da FIV?

De acordo com a quantidade de procedimentos envolvidos na FIV, bem como de alguns fatores indiretos, o custo do tratamento poderá ser maior ou menor. Os principais são:

  • consultas, para avaliar as necessidades do tratamento e quais são as chances de a mulher engravidar (o que começa a declinar a partir dos 35 anos de idade);
  • exames para check-up geral (de sangue e de imagem) e exames de fertilidade, tanto para avaliar a quantidade e qualidade dos espermas como as condições da reserva ovariana e as taxas hormonais;
  • honorários do equipe médica, ou seja, os valores cobrados pelos especialistas para realizar o tratamento;
  • terapia com medicamentos indutores de ovulação, caso seja necessário fazer um tratamento associado, para tratar a infertilidade (como em casos de oligo-ovulação decorrente da síndrome dos ovários policísticos (SOP), por exemplo);
  • coleta de material biológico (óvulos e/ou espermatozoides),para que sejam manipulados em laboratório e fecundados in vitro;
  • acesso a banco de óvulos ou de esperma, caso seja necessária a doação de um óvulo ou dos espermatozoides de terceiros;
  • congelamento de óvulos ou espermatozoides, caso haja um excedente que possa ser criopreservado, para tentativas de concepção futuras, bem como o custo do respectivo armazenamento ao longo do tempo;
  • fertilização in vitro (encontro dos gametas masculino e feminino) em um objeto que simula as condições das trompas;
  • diagnóstico pré-implantacional (PGD), um exame genético realizado nos embriões previamente à implantação, com o intuito de rastrear alterações cromossômicas e doenças genéticas, caso seja recomendado pelo especialista;
  • transferência do(s) embrião(ões) para o útero, que, de acordo com as normas para utilização das técnicas de reprodução assistida, elaboradas pelo CFM, não podem ser superior a quatro (cuja definição da quantidade varia de acordo com a idade da paciente).

Os custos da ICSI são diferentes da FIV clássica?

Sim. Como comentado, os custos variam em função de uma série de fatores, incluindo a tecnologia empregada. O que diferencia a FIV convencional da fertilização in vitro com injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI, na sigla em inglês) é uma etapa diferenciada: a seleção dos melhores espermatozoides e sua inserção direta no óvulo.

Enquanto a FIV é indicada para mulheres com o útero saudável e homens com sêmen de boa qualidade, a ICSI é indicada para quem não apresenta condições clínicas tão boas, geralmente, homens com casos de infertilidade grave ou cujas amostras de sêmen foram criopreservadas.

Para esse perfil de pacientes, a ICSI aumenta as chances de engravidar. Porém, o custo, comparado ao da FIV clássica, é mais alto.

Vale a pena fazer uma reserva financeira para a FIV?

Essa é uma questão pessoal, que depende das condições financeiras de cada indivíduo. Mas pelo alto custo dos tratamentos de reprodução assistida, trata-se de uma estratégia adotada por muitos pacientes, sem a qual a FIV seria inacessível.

Para concluir, esperamos que este artigo tenha ajudado a entender o que é levado em conta na hora de definir quanto custa o processo de fertilização in vitro. De qualquer maneira, cabe a nós reforçar que as chances desse tipo de procedimento resultar em uma concepção bem sucedida são maiores em pacientes mais jovens (em termos reprodutivos). Portanto, busque uma orientação individualizada o quanto antes, em um centro de referência em reprodução assistida.

Caso resida em Florianópolis ou região, aproveite para agendar uma consulta. Os especialistas da Fecondare — altamente capacitados e com anos de experiência — certamente poderão lhe ajudar!

Inscreva-se em nossa newsletter.

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Publicado por: Dr. Marcelo Costa Ferreira - Ginecologista - CRM/SC 7223 e RQE 2935
Formado em Medicina pela FURB, Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia, Especialização em Reprodução Humana no Centro de Referência da  Saúde da Mulher em São Paulo e Especialização em Reprodução Assistida

Filtre por temas:

Filtre pelo formato de conteúdo

Assine nossa newsletter!

    Assine nossa newsletter!

      (48) 3024-2523

      Rua Menino Deus, 63 Sala 302. Baía Sul Medical Center - Centro CEP: 88020-203 – Florianópolis – SC

      Diretor técnico médico: Dr Jean Louis Maillard - CRM-SC 9987 RQE 5605

      Nosso material tem caráter meramente informativo e não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Em caso de dúvidas , consulte o seu médico.

      Termos e Serviços
      2021 © Clínica Fecondare - Todos os direito Reservados
      Desenvolvido por esaude