Gonorreia tem cura?

Publicado em: 15 de julho de 2018

Gonorreia tem cura?

Caso for medicada a tempo, a gonorreia tem cura. Essa Doença Sexualmente Transmissível (DST) pode gerar uma série de complicações, caso não seja tratada. Causada pela bactéria Neisseria Gonorreae, a doença infecta o canal que liga a bexiga ao meio externo, o qual chamamos de uretra. Essa uretrite gonocócica, resultante da gonorreia, pode causar sérios danos à saúde, inclusive a infertilidade.

Após o contato infeccioso, a bactéria se espalha pelo sangue e atinge as articulações, podendo desencadear feridas na pele. Praticar sexo oral e anal em uma pessoa contaminada também pode acarretar no transporte da bactéria para essas regiões, levando à obstrução anal e à alteração da voz.

Por que é importante saber se a gonorreia tem cura?

Felizmente, a gonorreia tem cura. No entanto, é fundamental que, para livrar-se da doença, o tratamento seja feito da maneira correta, a fim de eliminar completamente a bactéria. Ao perceber os sintomas, é necessário procurar um especialista que, imediatamente, irá solicitar a realização de alguns exames para confirmar o diagnóstico. Além do hemograma direcionado, o exame microscópio da secreção será fundamental para a análise dos resultados.

Para o tratamento, recorre-se aos antibióticos. É fundamental que ele seja feito em caráter de urgência, para que não apareçam outros problemas, além da permanência da transmissão da bactéria por meio do contato sexual. Devido a esse risco, é importante não manter relações íntimas durante o tratamento, nem mesmo com preservativo. Caso o parceiro seja novamente exposto à bactéria, é possível que a doença volte a ocorrer.

Prevenir-se, por meio do uso de preservativo,  é sempre a melhor opção. Assim, evita-se supostas complicações e diminui-se o risco de contrair outras doenças sexualmente transmissíveis.

Fique atento aos sintomas da gonorreia

É importante estar sempre atento aos sinais que o nosso corpo emite sobre a nossa saúde. Os primeiros sintomas já podem surgir nas primeiras 24 horas após a infecção pela bactéria causadora da gonorreia, que possui ação bastante rápida. Os sinais também podem aparecer cerca de dez dias após o contágio.

Sintomas na mulher

Embora quase sempre seja assintomática, a manifestação da gonorreia, nas mulheres, causa:

  • incontinência urinária;
  • dor ao urinar;
  • corrimento semelhante ao pus, de coloração branco-amarelada;
  • inflamações nas glândulas de Bartholin, localizadas nas laterais da vagina, responsáveis pela lubrificação da mulher;
  • inflamação no ânus, quando houver relação íntima anal;
  • dor na garganta e alteração na voz, no caso de relação íntima oral.

Sintomas no homem

Os homens apresentam sintomas logo no início do contato sexual desprotegido. Entre o primeiro e o terceiro dia do contágio, podem surgir os seguintes sinais:

  • vontade frequente de urinar;
  • ardência ao urinar;
  • febre baixa;
  • corrimento de cor amarelada (semelhante ao pus) por meio do pênis;
  • inflamação no ânus, quando houver relação íntima anal;
  • dor na garganta e alteração na voz, no caso de relação íntima oral.

Gonorreia e infertilidade

Não tratar da doença corretamente, e no momento certo, pode ocasionar em algumas complicações sérias. Nos homens, a infecção pode chegar ao epidídimo e provocar uma inflamação no reservatório de esperma, que fica junto ao testículo, chamada epididimite. Caso não seja cuidada, essa doença pode levar à infertilidade. É possível, também, que haja o estreitamento da uretra e a inflamação da próstata.

Nas mulheres, a infecção pode chegar ao útero, trompas e ovários. Em razão disso, é possível que se manifeste, nelas, a Doença Inflamatória Pélvica (DIP). Além de aumentar os riscos de complicações na gravidez, a gonorreia pode ser a responsável pela gravidez fora do útero (Gravidez Ectópica). Também pode levar à infertilidade, caso não seja devidamente tratada.

Além disso, a bactéria pode se alastrar pelo corpo e articulações, quando entrar em contato com a corrente sanguínea. Outra complicação da gonorreia não tratada é a  maior suscetibilidade do organismo ao contágio de outras DSTs, como o vírus HIV. Essa percepção infecciosa poderá ser notada por alguns sintomas, como:

  •  febre;
  • dores nas articulações;
  • inchaço;
  • feridas na pele;
  • enrijecimento muscular.

Sempre que restarem dúvidas, entre em contato com nossa equipe. Em  nossos e-books gratuitos é possível conhecer um pouco mais sobre a infertilidade masculina e a infertilidade feminina

Conteúdo atualizado em: 7 de dezembro de 2018

 Agendar Consulta

Para agendar uma consulta preencha o formulário: