Como funcionam os bancos de óvulos e espermatozoides

Publicado em: 31 de agosto de 2015

Como funcionam os bancos de óvulos e espermatozoides

A infertilidade é realidade para cerca de 15% dos casais em idade reprodutiva, conforme registram os dados da Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO). Desses casos não é possível determinar quem é mais ou menos infértil, pois em 40% dos casos as mulheres que apresentam problemas, em outros 40% são dos homens as causas da impossibilidade de conquistar uma gravidez de maneira natural ou podem ser, ainda, um conjunto de causas dos dois, nos 20% de casos restantes. Para saber mais sobre infertilidade baixe os ebooks gratuitos sobre os sintomas, causas e tratamentos para as mulhereshomens.

Para os casais que são diagnosticados com infertilidade existem tratamentos que podem reverter as causas, a medicina reprodutiva está em constante evolução na busca por soluções. Porém, existem situações em que óvulo ou espermatoizoide não podem ser utilizados, ou então casos de casais homoafetivos, que se podem recorrer aos bancos de gametas (células sexuais reprodutivas) para concretizarem o sonho de se terem filhos.

Técnicas de reprodução assistida

Existem técnicas diferentes para a reprodução assistida. Na inseminação artificial são injetados espermatozoides no útero da mulher. Esse procedimento acontece quando a causa da infertilidade é masculina e a mulher tem condições normais de fecundar o óvulo e gerar o bebê.

Nos casos de fertilização in vitro óvulo e espermatozoide são unidos, para formar um embrião, fora do organismo, até que esteja pronto para ser implantado no útero e prosseguir com a gravidez. Nos dois casos podem ser utilizados óvulos ou espermatozoides de doadores, provenientes dos bancos de doação dos gametas. Para saber mais sobre este tratamento para a infertilidade leia o ebook Orientações gerais sobre o tratamento de Fertilização in Vitro, que está disponível para baixar gratuitamente.

Banco de espermatozoides

Para que um homem se torne doador de espermatozoide ele deve procurar os bancos de semem que são especializados nessa coleta e armazenamento do material genético. De acordo com a Resolução CFM Nº 2013/2013, que regulamenta as técnicas de reprodução assistida no Brasil, a doação deve ser voluntária e não pode envolver remuneração. No processo de doação são realizados exames e análises de sangue e dos espermatozoides e a coleta segue um cronograma de algumas semanas.

A doação não envolve nenhum tipo de tratamento, é indolor e rápida. Após a coleta o espermatozoide é congelado e, depois de criopreservado (congelado), pode ser utilizado por tempo indeterminado. A identidade do doador é mantida em sigilo. Quem recebe o material genético não pode ter informações sobre ele e este não pode saber se o espermatozoide foi utilizado ou não.

Banco de óvulos

Com as mulheres o processo é diferente, já que envolve a estimulação hormonal para que mais de um oócito amadureça e fique pronto para a coleta. É o mesmo processo que as mulheres que fazem fertilização in vitro são submetidas. Durante alguns dias são administrados medicamentos que estimulam o desenvolvimentos das células reprodutivas femininas, acompanhado por exames de ultrassonografia. Quando estão prontos os oócitos são coletados e congelados. Depois de criopreservados podem ser utilizados por tempo indeterminado até serem fecundados, quando passam a formar um embrião, que poderá dar origem a uma gravidez. No ebook Criopreservação de óvulos você pode entender todo esse processo, basta fazer o download para saber mais.

Da mesma forma que a doação de espermatozoides, a doação de óocitos é um processo voluntário e que não envolve remuneração e o sigilo é mantido para quem doou e para quem recorreu ao banco de doação. No Brasil só é permitida a doação de óvulos compartilhada, ou seja, uma mulher que tem indicação de realizar uma fertilização doa metade dos óvulos gerados para uma receptora de forma anônima.

Ato altruísta

A doação de óvulos e espermatozoides é um ato altruísta e que beneficia homens e mulheres que não podem ter filhos em função de algum problema que não pode ser tratado. Dados da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida estimam que 20 mil casais recorram aos tratamentos de reprodução assistida no Brasil, sendo que nem todos precisam dos bancos de doação de gametas, mas muitos deles têm nessa a única alternativa para concretizar o sonho de ter filhos biológicos.

Quem está em busca de tratamentos para a infertilidade pode manter-se informado com os artigos e notícias sobre o tema, porém nunca deve dispensar a ajuda médica. Marque uma consulta com profissionais especializados neste tipo de atendimento e tire suas dúvidas sobre as possibilidades a respeito da saúde reprodutiva.

Conteúdo atualizado em: 12 de julho de 2017

 Agendar Consulta

Para agendar uma consulta preencha o formulário: