Publicado em 15/02/2021

Antimulleriano: conheça o teste que indica fertilidade feminina

antimulleriano-conheca-o-teste-que-indica-fertilidade-feminina

Apenas a análise clínica não é suficiente para avaliar a capacidade reprodutiva de uma mulher. Para confirmar, ou descartar, a suspeita de infertilidade, é possível contar com uma série de exames laborais complementares. A dosagem de hormônio antimulleriano, por exemplo, é uma das alternativas para medir os níveis hormonais ligados à função reprodutiva. Segundo os especialistas, trata-se de um recurso válido para investigar a reserva ovariana.

Neste artigo, vamos mostrar a relação do hormônio antimulleriano com viabilidade da gravidez. Se você pretende engravidar com ajuda das técnicas de reprodução assistida, vale a pena a leitura!

O que é o hormônio antimulleriano?

O hormônio antimulleriano (HAM) é um tipo de marcador da reserva ovariana (ou seja, da quantidade e qualidade dos óvulos),assim como a contagem de folículos antrais (CFA),o hormônio folículo estimulante (FSH), o estradiol (E2) e a inibina B. No entanto, ele é considerado mais assertivo e fidedigno que os demais, sendo especialmente benéfico para pacientes com diagnósticos de infertilidade que tentarão engravidar com ajuda de um tratamento de reprodução assistida.

O exame (realizado a partir da coleta de sangue) tem sido cada vez mais solicitado para mulheres que serão submetidas à fertilização in vitro (FIV), com o intuito de prever a resposta de seus ovários à estimulação medicamentosa. Isso porque, o fracasso da FIV costuma ter relação com a baixa reserva ovariana.

Ao mesmo tempo, o teste antimulleriano serve para definir os protocolos de estimulação mais adequados à cada paciente. Isso ajuda a individualizar os tratamentos, aumentando as chances de gravidez.

Por que a individualização dos protocolos de estimulação ovariana é importante?

O teste antimulleriano é essencial para quem pretende engravidar com ajuda da reprodução assistida. Isso porque, a terapia de indução de ovulação, etapa necessária a esses processos, pode desencadear a síndrome da hiperestimulação ovariana (SHO) — uma complicação considerada bastante grave.

Ao permitir individualizar a dose mínima necessária para o estímulo ovariano realizado em cada paciente, o antimulleriano previne o risco de hiperestimulação e os problemas associados. Além disso, evita o uso desnecessário de gonadotropinas em mulheres que irão responder mal ao esquema de estimulação.

O que significam os valores de referência contidos no teste antimulleriano?

Como mostrado, avaliar a função ovariana ajuda a nortear os protocolos de tratamento em mulheres que passarão por um processo de reprodução assistida. Além disso, possibilita sugerir um prognóstico, ainda que de forma limitada.

Segundo a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo),ainda não existem valores de referência internacionalmente validados para a dosagem do hormônio antimulleriano. Por isso, o consenso médico considera:

  • o nível de hormônio antimulleriano inferior a 1,0 ng/mL como baixa reserva ovariana;
  • o nível de hormônio antimulleriano superior a 3,5 ng/mL como alto risco de respostas excessivas em terapias de reprodução assistida.

Além disso, a contagem do hormônio antimulleriano também pode indicar a presença da síndrome dos ovários policísticos (SOP). Bastante comum, sabe-se que essa condição é a principal responsável pela infertilidade feminina.

Mas é preciso reforçar que nem o hormônio antimulleriano nem nenhum outro marcador de reserva ovariana é considerado capaz de estimar, precisamente, o declínio da capacidade reprodutiva. Ele, associado a contagem de folículos antrais no período menstrual realizada por especialista em reprodução traz mais a realidade ovariana Assim, a baixa quantidade de ovócitos não implica na impossibilidade de engravidar, assim como níveis normais não garantem o sucesso dos procedimentos de reprodução assistida.

Outro ponto a se considerar é que os resultados do teste antimulleriano indicam o funcionamento do ovário no momento presente, não sendo parâmetro para inferências relacionadas ao futuro reprodutivo. Na prática, isso significa que a gravidez pode ocorrer mesmo se o número de folículos estiver baixo.

De qualquer maneira, especialistas em reprodução assistida acreditam que a checagem do hormônio antimulleriano deverá ser cada vez mais solicitada para candidatas à realização de procedimentos de reprodução assistida. Afinal, os benefícios para mulheres nessa situação são indiscutíveis.

Portanto, caso você esteja se preparando para fazer um tratamento de fertilidade, é provável que o especialista responsável solicite um antimulleriano. Nesse caso, fique tranquila e realize-o conforme sua orientação. Independentemente do resultado, o teste ajudará a planejar sua terapêutica de maneira mais individualizada, com maiores chances de ser bem sucedida!

Ficou com alguma dúvida? Sem problemas! Entre em contato com a nossa equipe e esclareça o que desejar!

Inscreva-se em nossa newsletter.

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Publicado por: Dr. Jean Louis Maillard - Ginecologista - Diretor técnico médico - CRM-SC 9987 , CRM-RS 13107 e RQE 5605
Ginecologista formado na Faculdade de Medicina da PUCRS em 1983, com residência médica em Ginecologia e Obstetrícia, Precertopship de Histeroscopia e Fellow nos Hospitais Tenon e Port Royal em Paris

Filtre por temas:

Filtre pelo formato de conteúdo

Assine nossa newsletter!

    Assine nossa newsletter!

      (48) 3024-2523

      Rua Menino Deus, 63 Sala 302. Baía Sul Medical Center - Centro CEP: 88020-203 – Florianópolis – SC

      Diretor técnico médico: Dr Jean Louis Maillard - CRM-SC 9987 RQE 5605

      Nosso material tem caráter meramente informativo e não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Em caso de dúvidas , consulte o seu médico.

      Termos e Serviços
      2021 © Clínica Fecondare - Todos os direito Reservados
      Desenvolvido por esaude