Publicado em 20/05/2021

Quem tem hipotireoidismo pode engravidar?

quem-tem-hipotireoidismo-pode-engravidar

O hipotireoidismo é um fator de risco para a infertilidade, pois interfere, diretamente, na ovulação. Por isso, muitos especialistas em reprodução humana defendem a necessidade de avaliar o funcionamento da tireoide quando se quer engravidar. Isso é ainda mais indicado para mulheres acima de 35 anos, ou com histórico pessoal ou familiar da doença. No caso de algum problema na tireoide ser diagnosticado, o tratamento deve começar imediatamente.

Com esses cuidados, quem tem hipotireoidismo pode engravidar sem maiores complicações gestacionais ou sequelas para o bebê. Quer entender melhor? Então, continue a leitura!

O que é o hipotireoidismo?

A glândula tireoide regula o metabolismo. Ela produz o hormônio estimulante da tireoide (TSH) e os hormônios tireoidianos livres triiodotironina e tiroxina (T3 e T4, respectivamente).

Quando o nível de TSH está alto, mas o T4 está normal, trata-se de um quadro de hipotireoidismo subclínico. Essa condição inicial atinge cerca de 10% das pessoas, sendo leve (muitas vezes, assintomática) e menos diagnosticada.

Já o hipotireoidismo clínico (também chamado hipotireoidismo franco) ocorre quando o TSH está alto e, o T3 e T4, abaixo dos níveis de referência. Entre os sintomas clássicos, pode-se citar o aumento do volume da tireoide (bócio),cansaço excessivo, queda de cabelo, pele seca, ganho de peso e aumento do colesterol.

Quais são as causas do hipotireoidismo?

O hipotireoidismo é um distúrbio muito comum em mulheres em fase reprodutiva. Ele pode ser decorrente de uma deficiência de iodo ou de alterações imunológicas (como no caso da Tireoidite de Hashimoto).

Para diagnosticá-lo, os médicos solicitam exames de sangue (dosagem do TSH, T4 livre e anticorpos contra tireoide) e, em certos casos, de imagem (para checar alterações ultrassonográficas). Estima-se que 95% dos casos de hipotireoidismo sejam subclínicos, ou seja, primários.

Quem tem hipotireoidismo pode engravidar?

Sim, mas é fundamental diagnosticá-lo e tratá-lo. O hipotireoidismo não tratado, mesmo quando subclínico, pode impedir a ovulação, levando a um quadro de anovulação. Estudos sugerem que níveis adequados de T4 são necessários para aumentar as taxas de fertilização e implantação do embrião.

Além disso, algumas pacientes com essa disfunção podem apresentar níveis aumentados de prolactina, o que também prejudica a fertilidade. E mesmo que ela engravide, se não tratado, o hipotireoidismo costuma levar a abortamentos espontâneos e repetidos.

Isso explica porque a dosagem do TSH é um dos exames indicados para quem está com dificuldade para engravidar. Com ele, pode-se monitorar o funcionamento da tireoide.

Mas além da questão da infertilidade, a atenção ao nível de TSH é importante por conta do seu impacto na saúde da futura mamãe e do bebê. Isso vale, inclusive, para mulheres com hipotireoidismo subclínico.

Como o problema na tireoide pode afetar o bebê?

O mau funcionamento da tireoide pode prejudicar tanto a saúde da gestante, como do feto. Na mulher, a doença tem relação com complicações obstétricas sérias, como maior risco de sangramentos, descolamento prematuro da placenta, pré-eclâmpsia, prematuridade e abortamento.

No bebê, além do baixo peso e altura ao nascer, pode provocar malformações congênitas e comprometimento do desenvolvimento intelectual. O hipotireoidismo congênito (decorrente de alterações genéticas),por outro lado, é uma complicação muito rara (ocorre em menos de 1% dos casos de filhos de mães hipotireoidianas).

Por isso, uma vez diagnosticada, recomenda-se a estabilização da disfunção antes de engravidar. O tratamento com ingestão oral de hormônios tireoidianos sintéticos (levotiroxina) pode diminuir consideravelmente ou eliminar o risco de complicações, pois mantém o TSH e o T4 normal.

Vale ressaltar que esse tipo de medicação não faz mal ao bebê. Mas deve-se ingerir a medicação conforme a orientação médica individualizada, sendo que, até o primeiro trimestre, o monitoramento dos hormônios tireoidianos precisa ser frequente.

Assim, quem tem hipotireoidismo pode engravidar. Para isso, basta que a função tireoidiana seja tratada antes da gestação. Se o problema persistir durante a gravidez, o uso da medicação deve ser mantido, sempre na menor dose possível e com acompanhamento contínuo do endocrinologista, para serem realizados ajustes frequentes. O hipotireoidismo materno bem controlado não irá comprometer o desenvolvimento mental do filho.

Gostou do artigo? Para ficar por dentro de tudo o que acontece de mais relevante na área da reprodução humana, bem como acompanhar as novidades da Fecondare, siga nossas redes sociais: estamos no YoutubeFacebook e Instagram!

Inscreva-se em nossa newsletter.

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Publicado por: Dra. Ana Lúcia Bertini Zarth - Ginecologista - CRM-SC 8534 e RQE 10334
Formada na Faculdade de Medicina da PUC – RS em 1993, Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia, Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia, pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) em 1997.

Filtre por temas:

Filtre pelo formato de conteúdo

Assine nossa newsletter!

    Assine nossa newsletter!

      (48) 3024-2523

      Rua Menino Deus, 63 Sala 302. Baía Sul Medical Center - Centro CEP: 88020-203 – Florianópolis – SC

      Diretor técnico médico: Dr Jean Louis Maillard - CRM-SC 9987 RQE 5605

      Nosso material tem caráter meramente informativo e não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Em caso de dúvidas , consulte o seu médico.

      Termos e Serviços
      2021 © Clínica Fecondare - Todos os direito Reservados
      Desenvolvido por esaude