Não quero ser mãe agora: conselhos para quem deseja adiar a gravidez

Publicado em: 19 de dezembro de 2016

Não quero ser mãe agora: conselhos para quem deseja adiar a gravidez

A estabilidade financeira e a carreira importam mais para algumas mulheres do que a maternidade. Isso não significa que algum dia elas não queiram engravidar, elas apenas não querem ser mães antes de concretizar alguns planos que não envolvem filhos ou que seriam mais difíceis de realizar sendo mães. Mas, apesar dessa escolha ser comum hoje em dia, ouvir de uma mulher a afirmação “não quero ser mãe agora” ainda gera um certo impacto.

Tudo bem a mulher querer adiar a gravidez. Não há nada de errado nisso. O importante é que essa decisão seja tomada conscientemente, após serem levantadas e consideradas todas as possibilidades e implicações envolvidas no postergamento da gestação. Mas, onde encontrar essas informações?

Bom, a mulher em idade reprodutiva e com vida sexual ativa é orientada a agendar uma consulta com o ginecologista ao menos uma vez por ano para acompanhar como está seu estado geral de saúde. A consulta pode ser o começo dessa busca por informações. Assim como a mulher que quer engravidar vai ao médico para ser orientada quanto aos cuidados necessários para conceber o bebê, a mulher que quer adiar a maternidade pode conversar com o ginecologista acerca do seu desejo de ainda não querer tornar-se mãe. Ele pode sugerir algumas alternativas, entre elas, que converse com um médico especialista em reprodução humana assistida.

Por que o “não quero ser mãe agora” precisa ser bem pensado

O motivo é simples: há procedimentos, como o congelamento de óvulos e embriões, que podem ser feitos somente em clínicas de reprodução humana, mas que para serem realizados, dependem de processos que podem ser conduzidos apenas por médicos com formação na área.

Outro motivo está relacionado ao fato de as clínicas de reprodução humana geralmente ter na equipe psicólogos com capacitação específica para atender às necessidades psíquicas das mulheres que, de alguma forma, planejam a gravidez, realizar o acompanhamento psicológico, compartilhar questionamentos e reflexões, já que esta situação mobiliza sentimentos tão intensos e particulares.

Biologicamente, o ideal é que a mulher engravide até os 35 anos. Acima dessa idade, a gravidez não deixa de ser uma possibilidade, mas as chances dela acontecer naturalmente são menores e só diminuem com o passar dos anos. Por isso, dependendo do quanto a gravidez for adiada, vale a pena informar-se sobre quais são as possibilidades para que a maternidade aconteça sem problemas no momento que a mulher considerar oportuno e a chance de ter um filho não seja perdida por falta de informação.

Conteúdo atualizado em: 8 de Fevereiro de 2017

 Agendar Consulta

Para agendar uma consulta preencha o formulário: