Métodos contraceptivos e infertilidade: mitos e verdades

Publicado em: 2 de agosto de 2016

Métodos contraceptivos e infertilidade: mitos e verdades

O uso dos métodos contraceptivos para impedir a gravidez são permeados de dúvidas. Principalmente de homens e mulheres que os usaram por muito tempo e receiam que os métodos contraceptivos e infertilidade estejam relacionados e os impossibilite de ter filhos. Na verdade, são poucas as maneiras de evitar a concepção que realmente influenciam negativamente na possibilidade de gerar um bebê.

O que é mito e o que é verdade sobre métodos contraceptivos e infertilidade

Tomar pílula anticoncepcional por muito tempo causa infertilidade

Mito. A pílula não causa infertilidade, ao contrário, ela costuma até mesmo preservá-la. O uso da pílula reduz os riscos de cisto no ovário, endometriose e de mioma e pólipo uterino – problemas que levar a dificuldade de engravidar.

O anticoncepcional injetável torna a mulher infértil

Mito. A contracepção injetável, que é feita a cada três meses, pode somente  adiar a ovulação em alguns meses, mas não impede que ela ocorra.

A pílula do dia seguinte não pode ser utilizada como contraceptivo frequente

Verdade. A pílula do dia seguinte é um método anticoncepcional de emergência e deve ser usado apenas nessa situação. É um medicamento que contém altas doses de progesterona, capaz de causar irregularidades menstruais.

Mulheres que tomam pílula por muitos anos não conseguem ter filhos

Mito. As mulheres que tomam contraceptivo oral por muitos anos podem apenas demorar um pouco mais para engravidar do que aquelas que não fazem uso do produto. Mas isso não é uma regra. Há as que param de tomar a pílula e no mês seguinte já estão grávidas.

A pílula protege de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs)

Mito. A pílula tem a função de evitar a gravidez. Para se prevenir contra as DSTs, o ideal é usar camisinha.

A mulher que reverte a laqueadura consegue engravidar

Em parte, é verdade. Tudo depende do local em que foi feita a laqueadura. Quando a cirurgia é realizada no meio da trompa, é maior a chance de a reversão resultar em gravidez. Mas quando é feita na parte terminal, não há como fazer a restauração.

É possível reverter a vasectomia para que o homem possa ter mais filhos

Verdade. A evolução das técnicas microcirúrgicas permite que a cirurgia de reversão da vasectomia seja feita sem risco de extravasamento de espermatozoides, elevando as taxas de sucesso.

Os motivos que dificultam a paternidade e a maternidade estão muito mais relacionados a problemas decorrentes de outras causas do que aos métodos anticoncepcionais. Elas podem ser diagnosticadas em uma consulta com um médico especialista. O profissional orienta quanto ao tratamento adequado para transformar homens e mulheres em pais e mães.

Conteúdo atualizado em: 8 de Fevereiro de 2017

 Agendar Consulta

Para agendar uma consulta preencha o formulário: