Conselho Federal de Medicina aprova novas regras para procedimentos em Reprodução Assistida

Publicado em: 25 de Abril de 2011

Conselho Federal de Medicina aprova novas regras para procedimentos em Reprodução Assistida

Depois de 18 anos, a resolução que rege as práticas éticas mudou e esclarece quanto à legalidade de procedimentos como a doação temporária do útero, a famosa “barriga de aluguel”.

Práticas como o uso de embriões e adoação temporária foram regulamentadas a fim de legalizar a especialidade médica de Reprodução Assisitida.

Para poder doar o útero, a doadora deve ser da família da mamãe em potencial em até segundo grau e o acordo não deve ter finalidade lucrativa ou comercial. A resolução esclarece também que outros casos estão sujeitos  ao Conselho Regional de Medicina. É evidente que, para a prática desta especialidade um tanto quanto delicada, vale a ética e a clareza de propósito em todos os momentos, do consultório até o laboratório.

A Ilha fértil valoriza todas as resoluções nesse sentido e vela pela boa prática da Medicina.

Confira também a Resolução CFM nº 1.957/2010.

Artigo elaborado pela equipe Fecondare em parceria com a E-saúde.

Conteúdo atualizado em: 12 de julho de 2017

 Agendar Consulta

Para agendar uma consulta preencha o formulário: