Publicado em 07/11/2013 - Atualizado 26/07/2019

Como o tratamento para infertilidade é visto pela sociedade

como-o-tratamento-para-infertilidade-e-visto-pela-sociedade

Atualmente até pode ser aceito que um casal jovem e fértil opte por não ter filhos, mas a infertilidade, de modo geral, é vista pelas pessoas como uma condição a ser superada. Ao procurar um médico especialista, algumas opções de tratamento são apresentadas e a reprodução assistida se destaca como a melhor opção em parte dos casos.

Há muitos anos as modernas técnicas de reprodução assistida são usufruídas e constantemente novas pesquisas e tecnologias vão sendo desenvolvidas e aplicadas com o objetivo de aumentar o número de casais que possam ter na reprodução assistida a solução para sua incapacidade de ter filhos. Mesmo que a tecnologia continue melhorando, ela esbarra em uma questão que pode limitar a sua aplicação na prática: a ética.

Sobre a aplicação das mais modernas tecnologias, a opinião de especialistas, de estudantes e da sociedade em geral parece divergir em relação a alguns pontos, como quando pesamos o seu custo e o seu benefício, sendo que o público em geral costuma ser mais mais conservador nessa ponderação.

Questiona-se também sobre os limites da criopreservação, que é a técnica de congelação de células com o objetivo de preservá-las para serem utilizadas no futuro. No contexto da reprodução assistida se refere ao congelamento de óvulos ou embriões. É uma técnica indicada para pacientes que irão se submeter à quimioterapia – já que esse é sabidamente um tratamento que pode levar à infertilidade – com o objetivo de, por exemplo, permitir que a paciente, depois de curada, possa engravidar.

O que gera questionamento entre as pessoas é até que ponto estaria “certo” qualquer pessoa poder usufruir dessa técnica com o simples intuito de preservar óvulos ou embriões para o futuro – independentemente de se expor a tratamentos que poderiam levar à infertilidade – isto é, “congelar por congelar”. Seria ético usar a criopreservação sem uma indicação clara? Não há resposta certa para essa pergunta.

Nossas opiniões resultam de nosso conhecimento, nossa experiência, nossas expectativas e o que para nós é certo ou errado. Novas tecnologias sempre promovem discussões que acabam levando a mais conhecimento e à ampliação de nossos limites. E é por isso que a informação, bem como o cuidado com sua fonte, é ainda a ferramenta mais importante para a formação de nossa opinião.

Dr. Jean Louis Maillard, ginecologista da Fecondare (CRM-SC 9987 , CRM-RS 13107 e RQE 5605) ressalta que é importante lembrar que de cada 100 casais que não conseguem engravidar, cerca de 15 a 20 necessitarão de reprodução assistida, os demais terão sua gestação com outros tratamento de menor complexidade e de todos eles apenas 5 nunca conseguirão engravidar. Nos casos de criopreservação de gametas, óvulos ou semem, devemos sempre colocar à disposição dos pacientes com tumores malignos, pois esta será talvez a única chance de eles poderem ter filhos. Mesmo nos tumores mais agressivos com menor chance de cura, esta possibilidade, caso seja aventada pelo paciente, deve ser realizada, pois traz para o paciente um panorama de atingir a cura maior.

Inscreva-se em nossa newsletter.

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.

Publicado por: Equipe Fecondare

Filtre por temas:

Filtre pelo formato de conteúdo

Assine nossa newsletter!

    Assine nossa newsletter!

      (48) 3024-2523

      Rua Menino Deus, 63 Sala 302. Baía Sul Medical Center - Centro CEP: 88020-203 – Florianópolis – SC

      Diretor técnico médico: Dr Jean Louis Maillard - CRM-SC 9987 RQE 5605

      Nosso material tem caráter meramente informativo e não deve ser utilizado para realizar autodiagnóstico, autotratamento ou automedicação. Em caso de dúvidas , consulte o seu médico.

      Termos e Serviços
      2020 © Clínica Fecondare - Todos os direito Reservados
      Desenvolvido por esaude