Fique atenta aos sinais: Outubro Rosa lembra a importância do diagnóstico precoce para o câncer de mama

Publicado em: 2 de outubro de 2015

Fique atenta aos sinais: Outubro Rosa lembra a importância do diagnóstico precoce para o câncer de mama

No mês de outubro, em vários países do mundo, acontece uma campanha de prevenção e alerta especialmente voltada para a saúde da mulher, é quando os monumentos e fachadas são iluminados de rosa e os lembretes sobre a prevenção do câncer de mama são assunto em muitos canais de informação.

O Movimento Outubro Rosa surgiu em 1985, quando uma parceria entre a American Cancer Society com empresas e organizações iniciaram a campanha anual internacional de mobilização e conscientização do cuidado, prevenção, diagnóstico, tratamento e cura do câncer na mama. A campanha também oferece informações e apoio às pessoas afetadas pelo câncer de mama.

O que é câncer de mama?
É uma doença resultante da multiplicação de células anormais da mama, que forma um tumor com potencial de invadir outros órgãos. Há vários tipos de câncer de mama. Alguns se desenvolvem rapidamente e outros não. A maioria dos casos tem boa resposta ao tratamento, principalmente quando diagnosticado e tratado no início.

Os cientistas ainda não conseguiram identificar com precisão as causas desse tipo de doença, mas sabem que um em cada três casos de câncer de mama pode ser curado se for descoberto logo no início, as campanhas de alerta existem justamente para que as mulheres estejam atentas aos sinais do organismo, que podem indicar a presença do tumor.

Quais são os sinais e sintomas do câncer de mama?

  • Caroço (nódulo), geralmente indolor;
  • Alterações no bico do peito (mamilo);
  • Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja;
  • Pequenos nódulos na região embaixo dos braços (axilas) ou no pescoço;
  • Saída de líquido anormal das mamas.

Essas alterações precisam ser investigadas o quanto antes, mas podem não ser câncer de mama. Mas muitos pacientes, por medo ou desconhecimento, preferem não falar no assunto e acabam atrasando o diagnóstico. Por isso, é preciso desfazer crenças sobre o câncer, para que a doença deixe de ser vista como uma sentença de morte ou um mal incurável e inevitável.

É possível reduzir o risco de câncer de mama?
Sim. Manter o peso corporal adequado, praticar atividade física e evitar o consumo de bebidas alcoólicas ajudam a reduzir o risco de câncer de mama. A amamentação também é considerada um fator protetor.

Câncer de mama e a fertilidade
Ao ser diagnosticado o tipo de câncer e seu estágio a paciente é encaminhada para o tratamento. Quando a quimioterapia é indicada a mulher pode sofrer com consequências provenientes das medicações, entre elas a possibilidade de afetar sua fertilidade. Para que essas pacientes possam preservar sua saúde reprodutiva existem técnicas e tratamentos de oncofertilidade para a redução de sequelas terapêuticas em sobreviventes de câncer. A preservação da fertilidade feminina em pacientes com câncer é uma realidade que traz esperança para o futuro, principalmente para mulheres que ainda não são mães e pretendem ter filhos biológicos no futuro.

Informação ao seu alcance
Para saber mais sobre a oncofertilidade e as técnicas de preservação da fertilidade baixe o e-book “O câncer e a saúde reprodutiva da mulher – Prevenindo a infertilidade”, um material online e gratuito que você recebe após preencher um breve formulário e ganha detalhes e informação sobre o tema. Para saber mais sobre o câncer de mama, prevenção e tratamento acompanhe as ações do Outubro Rosa e não deixe de consultar seu Ginecologista frequentemente.

Conteúdo atualizado em: 12 de julho de 2017

 Agendar Consulta

Para agendar uma consulta preencha o formulário: